VISUALIZAÇÕES DE PÁGINA

Correio Do Autor

assuncaopontopaulinhoarrobagmailpontocom

sábado

[TUDO QUER SER LIDO, TODOS QUEREM SER LIDOS]

[tudo quer ser lido: a flor, o parafuso, o cisco. a paisagem quer ser lida, e a janela, o fogo, o trovão. tudo quer ser lido e expõe sua textuaria ao mundo. o homem que vai, a mulher que vem, o menino que atravessa a zona de sombra de um edifício: todos querem ser lidos. escreve-se com o corpo, escreve-se com o silêncio. e tudo isto quer ser lido. débora, a engasgada, quer ser lida. jader, o furioso, quer ser lido. papéis, células lexicais na luz, geometrias vocabulares, arranjos de letras inscritas na pele: tudo quer ser lido. o lado certo e o lado avesso do objeto querem ser lidos. o objeto "a" quer ser lido. as paredes rebatidas pela voz para dentro do analista querem ser lidas, e própria voz, para dentro, posto que é voz ouvinte, quer ser lida. já não é mais só o poema, o romance, o tratado, o ensaio. tudo quer ser lido. adolfo, o pastor, quer ser lido. hélia, a noviça, quer ser lida. o olho que lê também quer ser lido, e a mão que apalpa, tato legente, quer ser lida. quem não escreve quer ser lido, e quem escreve quer ser lido. há o pássaro metálico de um pânico, e o pássaro quer ser lido. e o pânico quer ser lido. não importa que faltem olhos, não importa mais a escassez legente: tudo quer ser lido, todos querem ser lidos. dança a letraria abundante pelos salões virtuais: tudo quer ser lido. mesmo quem nunca leu, quer ser lido. mesmo quem já morreu, quer ser lido. eis as lápides, eis a saudade ou a indiferença pelo que agora é pó: tudo quer ser lido. até a leitura quer ser lida. a antileitura quer ser lida, e a antipalavra quer ser lida. partículas fetais de vocábulos ainda para nascer querem ser lidas. a finitude e a infinitude querem ser lidas. o leitor que pede o autógrafo ao autor quer ser lido, e o aglomerado de sábado, à porta da livraria, mais do que exibível, quer ser lido. o diálogo, mais do que a operação dialógica entre um e outro, quer ser lido. a fala quer ser lida. e a própria repetição infinita que aqui se faz e aqui se escreve quer ser lida.]