VISUALIZAÇÕES DE PÁGINA

Correio Do Autor

assuncaopontopaulinhoarrobagmailpontocom

domingo

[DA SEPARAÇÃO ENTRE O POEMA E A POESIA]

[foto de peter turnely]
[penso na figura do poema: 
plâncton, âmbar, abelha, 
ou grãos de trigo, em pendões, 
ao vento. penso nessa figura
que nada tem com a poesia.

penso no organismo, 
no indivíduo, penso na ilha 
e não penso no continente.
penso a figura de um tufo 
de algodão que rola, deriva,
ao sopro de uma ventania.

penso na figura em minudência
ímpar, esses caroços do júbilo
e do êxtase. penso nessa figura
a que se denominou poema, já
tarde demais quando a poesia 
era já forma adiposa, teia-aranha.

penso na figura do que é menos,
penso nos engenhos da partícula,
o plâncton, o âmbar, o pólen,
e não penso na forma-em-abundância,
nos cargueiros sinistros oceânicos,
não penso na forma que é discurso.

agora é quase noite, e a poesia
é esse bolero sob o poste: lacrimosa,
pantagruélica, a gula pela gordura.

agora é quase noite, e o poema
é esse farelo de pão sobre a toalha,
nele cabe uma galáxia, tão condensável
é o átomo de sua anatomia.]

Nenhum comentário:

Postar um comentário